segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Intolerância com homossexuais faz Igreja dos Mórmons perder mais de 2500 membros


A segunda semana de outubro deste ano ficará marcada na história da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, mais conhecida como Igreja Mórmon. Considerada uma seita do cristianismo, pois baseia suas doutrinas mais no Livro dos Mórmons que na Bíblia.

Entre os muitos ensinamentos controversos, acreditam que Jesus e o Diabo são irmãos e que o céu é um outro planeta. Mas o motivo que levou pelo menos 2.500 pessoas se desligarem ao mesmo tempo da igreja foi as mudanças de política eclesiástica.

Até 1978, a Igreja proibia terminantemente casamentos inter-raciais e não celebrava casamentos entre negros em seus templos. Os tempos mudaram e a igreja passou a aceitar isso normalmente e parou de ensinar que as pessoas negras eram amaldiçoadas, pois traziam a ‘marca de Cain’.

Agora, os documentos da igreja afirmam que os filhos de famílias LGBT não poderão ser abençoadas ou batizadas. A proibição vale para crianças adotivas ou mesmo biológicas, além dos casais que coabitem ou sejam casados legalmente. Caso uma dessas crianças queira se batizar, precisará ter 18 anos e renunciar às suas famílias e abandonarem seus lares.

A reação causou indignação imediata e milhares de pessoas preencheram o documento oficial de desligamento da igreja, em sua sede na cidade de Salt Lake City, Estados Unidos. Ainda não há registros oficiais de quantas repetiram o gesto em todo o mundo.

Para ser desligado da igreja é preciso entregar uma espécie de carta registrada ao seu Bispo e ao Presidente regional.  A liderança mundial dos mórmons emitiu um documento dando explicações, ele é assinado pelo Conselho da Primeira Presidência e o Quórum dos Doze Apóstolos.

“A doutrina revelada é clara que as famílias são eternas em natureza e propósito… os adultos que optam por entrar em um casamento do mesmo sexo ou relacionamento semelhante cometem pecado que merece um conselho disciplinar da Igreja”, afirma o esclarecimento.

Analistas acreditam que poderá surgir uma denominação que poderá reunir os mórmons que são homossexuais praticantes ou simpatizantes. Nos Estados Unidos, várias denominações cristãs como presbiterianos, metodistas, luteranos e a Igreja de Deus já possuem “ramificações” que aceitam LGBT como membros, em alguns casos até mesmo pastores e bispos.

Com informações de Gospel Prime | Pátio Gospel Notícias
Seja ético, cite sempre a fonte.
Comentários
0 Comentários
Nenhum comentário :
Postar um comentário


Rodas de Conversas
Copyright © 2009 - 2015 Patio Gospel Notícias
Design by FBTemplates - Traduzido Por: Templates